Violão x Alaúde

Henrique Rievers

Mensagem por Henrique Rievers » Qua 28 Dez 2005, 00:50

Acho meio chato também...fico meio nervoso quando tenho q ficar trocando de afinação no meio do concerto...
sei que eh bobeira mas fazer o q..hehehee

Amauri Machado
Mensagens: 68
Registrado em: Qua 24 Ago 2005, 01:12
Localização: São Paulo - Brasil

Mensagem por Amauri Machado » Qua 28 Dez 2005, 01:02

Ouvi dizer que o Julian Brean tem gravações de Alaúde, mas nunca ouvi.
Alguém já ouviu? É tão bom quanto no violão?

FernandoSor
Mensagens: 1111
Registrado em: Ter 01 Nov 2005, 15:29

Mensagem por FernandoSor » Qua 28 Dez 2005, 17:20

A 3a corda em F# é para manter a afinação do alaúde. Afinando a 3a. corda em F# e colocando um capotrasto na 3a. casa vc tem o violão na afinação de um alaúde!!! (G C F A D G)

Daí é só pegar a tablatura do alaúde e sair tocando...

Sem o capotrasto tbém dá, só que aí vc tem que lembrar que vai estar tocando 3 semitons abaixo do tom original do alaúde.

Qualquer gravação do Julian Bream é sempre uma aula de interpretação.

No alaúde, acho que ele descaracteriza um pouco tocando ao estilo de um violonista. Neste ponto prefiro os alaudistas que citei anteriormente. Mas a interpretação do Bream é fantástica. O fraseado e argumentação musical que ele dá às fantasias do Milán, por exemplo, acho demais. Cada variação tem um sotaque individual e que parece improvisada, mas ao mesmo tempo consegue manter uma unidade geral da peça impressionante.

sds

Amauri Machado
Mensagens: 68
Registrado em: Qua 24 Ago 2005, 01:12
Localização: São Paulo - Brasil

Mensagem por Amauri Machado » Sex 30 Dez 2005, 16:08

Vocês já ouviram essa?

Dizem que os alaudistas passam 80 % do tempo afinando o intrumento e os outros 20 tocando... (He he he...).

FernandoSor
Mensagens: 1111
Registrado em: Ter 01 Nov 2005, 15:29

Mensagem por FernandoSor » Sex 30 Dez 2005, 16:43

Dizem o mesmo dos violeiros...

Além da grande quantidade de cordas, tocar com cordas de tripa tbém devia ser muito chato. A corda de tripa é muito sensível ao clima e perde-se muito tempo procurando uma que afine direito.

pesadelo

Mensagem por pesadelo » Dom 05 Fev 2006, 03:48

Amauri Machado escreveu:Pessoal,
Detesto transcrições que exijam afinação da terceira em F#.
O que vocês acham?
explique melhor isso...
pq raios uma nota esta te atrapalhando? :roll:

Amauri Machado
Mensagens: 68
Registrado em: Qua 24 Ago 2005, 01:12
Localização: São Paulo - Brasil

Mensagem por Amauri Machado » Seg 06 Fev 2006, 11:25

O que eu acho chato é ter que mudar a afinação da terceira. A leitura fica meio atrapalhada, pois aquele fa# não faz parte do modelo mental.
Talvez eu tivesse que tocar muitas músicas assim, para treinar, mas não tenho muita motivação pra isso.
Um abraço

hirven
Mensagens: 323
Registrado em: Qua 18 Jan 2006, 00:24
Localização: Paulicéia - Brasil

Mensagem por hirven » Qui 09 Fev 2006, 23:45

É a mesma coisa do cravo para o piano.

Cada instrumento tem seu próprio estilo, e uma adaptação não é fiel as origens, mas para a música sobreviver, às vezes é preciso fazer adaptações.

O importante também, é estimular o estudo do alaúde, não só como instrumento antigo, mas moderno também.

FernandoSor
Mensagens: 1111
Registrado em: Ter 01 Nov 2005, 15:29

Mensagem por FernandoSor » Seg 13 Fev 2006, 23:12

Amauri Machado escreveu:O que eu acho chato é ter que mudar a afinação da terceira. A leitura fica meio atrapalhada, pois aquele fa# não faz parte do modelo mental.
Talvez eu tivesse que tocar muitas músicas assim, para treinar, mas não tenho muita motivação pra isso.
Um abraço
Acho que até dá para aprender a ler e tocar. O chato mesmo é ficar mudando de afinação no meio de um concerto. E ficar torcendo para que a corda fique ali, bonitinha, sem desafinar no meio da música...

Detesto schordatura em concerto. Prefiriria um violão diferente, cada um em uma afinação, nestas ocasiões... (quem sabe o outro violão já seria até um alaúde, neste caso). :wink:

Dan
Mensagens: 33
Registrado em: Seg 13 Fev 2006, 22:08
Localização: São luis MA

Mensagem por Dan » Qua 15 Fev 2006, 08:10

eu tb penso que o alaúde precisa de composições modernas!
o que vcs acham de um violonista tocar alaúde sem mudar de tecnica?

Luis Gontarski
Mensagens: 344
Registrado em: Qui 21 Jul 2005, 07:14
Localização: Curitiba - Brasil

Mensagem por Luis Gontarski » Qua 15 Fev 2006, 08:41

dan,
eh complicado, nao impossivel...
acho que é meio dificil pq no alaúde toca-se cordas aos pares (ordens), as unhas atrapalhariam um pouco, axo eu...

Janoel
Mensagens: 42
Registrado em: Sex 24 Fev 2006, 15:29
Localização: JOinville

Mensagem por Janoel » Sáb 25 Fev 2006, 01:55

Concordo plenamente, porém tenho uma dúvida, quem foi o maior compositor para alaude??? :shock:

FernandoSor
Mensagens: 1111
Registrado em: Ter 01 Nov 2005, 15:29

Mensagem por FernandoSor » Seg 27 Fev 2006, 19:07

allstarstyle escreveu:dan,
eh complicado, nao impossivel...
acho que é meio dificil pq no alaúde toca-se cordas aos pares (ordens), as unhas atrapalhariam um pouco, axo eu...
Para instrumentos antigos, como o alaúde e guitarra barroca, eu prefiro o toque sem unhas.

Mas a briga "unha vs polpa" é mais antiga do que normalmente pensamos. Muito alaudista toca com unha, tanto hoje como no sec. XVI já existia esta discussão.

O Jose Miguel Moreno (http://www.glossamusic.com) tocava sem unha. Nos seus 6 primeiros CDs gravados ele esta tocando sem unha. Vi ele comentar em uma entrevista que hoje toca com unha, mas bem curtas.

Luis Gontarski
Mensagens: 344
Registrado em: Qui 21 Jul 2005, 07:14
Localização: Curitiba - Brasil

Mensagem por Luis Gontarski » Seg 27 Fev 2006, 23:31

o Orlando Fraga toca guitarra barroca e vihuela assim, com unha bem curta...

Bruno Correia

Alaúde

Mensagem por Bruno Correia » Sáb 06 Mai 2006, 04:05

Olá a todos,

Sou novo no forum, e como sou alaudista gostaria de contribuir um pouco neste tópico.

Essa questão das unhas só é cogitada entre os violonistas, pois os alaudistas sabem que cordas duplas e unhas não são uma combinação saudável.

Hoje em dia muitos violonistas querem experimentar o alaúde, mas poucos ou praticamente nenhum quer compreender como o instrumento funciona e qual é sua estética sonora.

É muito fácil perceber a diferença no som e na estética musical entre o Julian Bream e o Paul O'Dette (ambos tocando a mesma música). Utilizar a técnica específica para se tocar o instrumento oferece muitas pistas de como se executar uma passagem.

Bom, esta tem sido minha experiência...