Música Modal

André LM
Mensagens: 140
Registrado em: Qua 21 Mar 2007, 17:13
Localização: Florianópolis-SC-Circo Nacional da América do Sul

Mensagem por André LM » Qua 11 Abr 2007, 03:02

Sor...tanto é q Schoenberg, após o seu tratado de harmonia, no seu "Funciones Estructurales da La Armonia" , radicalmente exclui as questôes de "condução de vozes". Ou seja, ele mudou, ou melhor, evoluiu. Ele compreendeu aquilo que ele não conseguiu ser fiel no seu tratado anterior.

Também acho que um professor tem q ter conhecimento de harmonia tradicional e...tbém de harmonia funcional, senão ele estaria atrasado e defasado para com o seu tempo. Nós não podemos virar os olhos do presente e só ver o passado, e vice-versa.

Você está vendo as duas coisas como a mesma coisa. Não são. Uma enriquece a outra, uma completa a outra. Talvez Schoenberg tenha sido tão radical no final pelo fato dele ter domínio completo da harmonia tradicional. Além de q se ELE coloca que um tratado de deve ser só de sucessões harmônicas e não de condução de vozes, então temos q olhar com mais carinho e respeito para com essa visão nova.

UM tratado é mais que didático, muito mais do que isso, cuidado!




VLW!

André LM
Mensagens: 140
Registrado em: Qua 21 Mar 2007, 17:13
Localização: Florianópolis-SC-Circo Nacional da América do Sul

Mensagem por André LM » Qua 11 Abr 2007, 18:09

Só para deixar mais claro:

Não existia harmonia como entendemos hoje (desde o advento do tonalismo) na musica modal. A polifonia"erudita" é uma singularidade de nossa civilização. Não podemos chamar de polifonia as eventuais simultaneidades que constituem enriquecimentos, colorações de um pensamento homofônico. Os gregos, por exemplo, provavelmente executavam heterofonia num pensamento homofônico. Na música erudita ocidental o pensamento é polifônico pelo menos há dez séculos.

Os testemunhos encontrados da teoria e notação dos gregos mostram q a música grega era inapta à polifonia e convenientemente perfeita à recitação lírica e aos refinamentos da monodia vocal ou instrumental.

Resumindo de forma clara para quem está começando, e procurando responde à dúvida do tópico: não existiu na música modal a hormonia como conhecemos hoje. A característica fundamental da música modal é a monodia e a nota de centro (diferente da nota de centro do tonalismo). Isso não tira a complexidade e riqueza desse estilo, muito pelo contrário, nós é q estamos fortemente impregnados por uma civilização musical totalitária e preconceituosa.

Espero ter ajudado!

FernandoSor
Mensagens: 1111
Registrado em: Ter 01 Nov 2005, 15:29

Mensagem por FernandoSor » Dom 15 Abr 2007, 01:26

André LM escreveu:Não existia harmonia como entendemos hoje (desde o advento do tonalismo) na musica modal.
Suas explicações são muito boas, André. Apenas gostaria de salientar que esta sua frase é que ressalta o que eu quis esclarecer. Não existia harmonia como entendemos HOJE, o que não quer dizer que não existia harmonia...

Também gostaria de salientar que há música modal que não seja antiga e existem livros sobre harmonia modal (que certamente não é igual à harmonia "moderna").
André LM escreveu:Você está vendo as duas coisas como a mesma coisa. Não são. Uma enriquece a outra, uma completa a outra.
Não. Estou vendo uma música como uma mesma coisa. Se vc quer quebrar uma música (que para mim é uma "coisa" só) em mais "coisas", para tentar compreendê-la, este é seu modo de analisá-la. Sua visão não deixa de ser interessante, só não é a mesma que a minha.

abraço.

André LM
Mensagens: 140
Registrado em: Qua 21 Mar 2007, 17:13
Localização: Florianópolis-SC-Circo Nacional da América do Sul

Mensagem por André LM » Qui 19 Abr 2007, 02:45

Dae Fernando...tudo bem?

Eu adoro conversar sobre essas coisas aqui no fórum, me faz reler antigas notações e rever alguns livros, gosto disso, é mutio bom :D .

Eu não quero ser chato sobre esse assunto, mas acho que eu não estou sendo muito claro:

Se entendermos como "harmonia"(resumindo): Ciência do 'acorde', teremos uma idéia errônea sobre a música antiga.

Se tomarmos a música Grega como exemplo nela não existia, podemos assim dizer, uma "harmonia" visto que não se pensava em "acordes". O próprio termo "harmonia" utilizado por PLatão era análogo ao que chamamos "modo". Para eles a idéia de acorde É as cordas da lira, eles não pensavam subjetivamente como nós. Eles não utilizaram a "polifonia
" ela é característica do nosso tempo. Eles utilizaram a "homofonia" (tinham pensamentos monódicos, mesmo com algum acompanhamento).
A música grega e sua interpretação eram ligados estreitamente á delamação poética onde o "ethos" era primordial.

A música erudita ocidental possui pensamento polifônico a somente dez séculos.

A análise de uma música não requer a divisão (ou melhor...dissecação) dela em 2 partes...mas em mais partes: social, político, etc...

Mesmo que eles não pensassem em função propriamente dita, ela estava lá, é a base do sistema tonal, se sabia,se ouvia e se sentia uma dominante indo para uma tônica, só não tinham dado nome a isso ainda. A harmonia funcional veio para enriquecer o entendimento, para acrescentar e não para diminuir; ela é um complemento, sem ela a análise fica a dever. `

Um exemplo: um leigo em música sente que existe uma turbulência, uma sensação de instabilidade numa dominante que pede para ir para uma tônica, mesmo não entendendo "nada" sobre tonalismo (apesar de escutar o tonal desde que nasce). O efeito está lá mesmo que ele desconheça (teoricamente) o porquê.

Vlw!

Mozart Dionísio Lisboa
Mensagens: 371
Registrado em: Sex 07 Set 2007, 17:32
Localização: Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, Brasil

Re:

Mensagem por Mozart Dionísio Lisboa » Seg 19 Mai 2008, 04:30

André LM escreveu:Só para deixar mais claro:

Não existia harmonia como entendemos hoje (desde o advento do tonalismo) na musica modal.
Olá, André!
Não te quero questionar(até porque sou muito ignorante nesses assuntos de harmonia tradicional/funcional, conducção de vozes, contraponto, etc...), mas li num livro algumas formas de harmonia na música medieval. Por exemplo, o hoqueto jamais seria possível sem um contraponto(que considero uma forma de harmonia, pois não deixa de ser sons simultâneos) existente nas composições em que estava. O moteto, as formas de organum e o fauxbourdon inglês se baseiam em contraponto. A polifonia coral da Renascença também se baseia nisto.
Posso estar a falar asneiras, mas foi o que entendi.
por favor, se alguém entendeu meu pensamento, por favor comente algo sobre.
Desde já, aradeço sobre vossas opiniões!

André LM
Mensagens: 140
Registrado em: Qua 21 Mar 2007, 17:13
Localização: Florianópolis-SC-Circo Nacional da América do Sul

Re: Música Modal

Mensagem por André LM » Qui 22 Mai 2008, 00:47

Bom, acho q eu talvez não tenha sido muito claro mozart, vou tentar explicar melhor. Sons simultâneos e polifonia não caracterizam por si o tonalismo. Quando falamos q a música moda tem uma visão horizontal e monódica não significa q sairá um som só. Até mesmo pq o tonalismo teve origem de pequenos "erros" e "ajustes" dessas vozes simultâneas, no decorrer dos tempos.

Obrigado por expor a sua dúvida! (coloque o q eu não consegui explicar muito bem, isso só faz com q a gente se "policie" no q escrevemos) :okok:

Mozart Dionísio Lisboa
Mensagens: 371
Registrado em: Sex 07 Set 2007, 17:32
Localização: Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, Brasil

Re: Música Modal

Mensagem por Mozart Dionísio Lisboa » Sáb 24 Mai 2008, 04:19

André LM escreveu:Bom, acho q eu talvez não tenha sido muito claro mozart, vou tentar explicar melhor. Sons simultâneos e polifonia não caracterizam por si o tonalismo. Quando falamos q a música moda tem uma visão horizontal e monódica não significa q sairá um som só. Até mesmo pq o tonalismo teve origem de pequenos "erros" e "ajustes" dessas vozes simultâneas, no decorrer dos tempos.

Obrigado por expor a sua dúvida! (coloque o q eu não consegui explicar muito bem, isso só faz com q a gente se "policie" no q escrevemos) :okok:
Olá, André!
Eu que te agradeço por ajudar-me!
O trecho que não estava compreendendo bem era aquele mesmo da citação.
Um problema para mim pode ser de não possuir bons conhecimentos sobre harmonia tradicional/funcional, contraponto, conducção de vozes e nem mesmo monodia, conforme colocaste aí em tua mensagem.
André LM escreveu:(coloque o q eu não consegui explicar muito bem, isso só faz com q a gente se "policie" no q escrevemos)
Comigo, do jeito que sou ignorante nestas coisas, você se policiando ou não nem perceberia os erros...
Obrigado pela tua disposição em ajudar!

Até!

JBCPOETA
Mensagens: 119
Registrado em: Sáb 14 Jun 2008, 02:59

Re: Música Modal

Mensagem por JBCPOETA » Seg 16 Jun 2008, 02:36

Olá mestres!
Estou encantado com a prolixidade dos senhores. Vou pesquizar sobre o tema para conversar um pouqinho com os nossos catedráticos. Já comecei a aprender. Um dia eu chego lá.
Abraços.

guinomolute
Mensagens: 15
Registrado em: Sáb 05 Jul 2008, 12:48

Re: Música Modal

Mensagem por guinomolute » Sáb 05 Jul 2008, 13:12

olha creio eu que o que caracterize realmente o modalismo, em relação ao tonalismo, é a famosa cadÊncia V-I, se quiser tipo saber como funciona os modos no quesito de compor, pegue o que é caracteristico de cada modo, por exemplo setima menor no mixolidio, e explore isso para " soar" modal, usar nas melodias e , sobretudo, para harmonizar =D